Na luta por direitos: as Ligas Camponesas e a resistência aos grandes proprietários no Piauí (Campo Maior e Teresina, 1962-1964)

Ramsés Eduardo Pinheiro de Morais Sousa

Resumo


A constituição das Ligas Camponesas no Piauí foi acompanhada por uma forte perseguição contra os lavradores que se filiaram a este movimento social almejando conquistar uma vida melhor. Considerando que esta repressão desencadeada pelos grandes proprietários contra os camponeses piauienses, entre os anos de 1962 e 1964, materializou-se principalmente no ato destes fazendeiros de proibir que os últimos fizessem roças em suas terras, o objetivo do presente trabalho é analisar o processo de resistência dos lavradores a esta situação. Neste sentido, argumento que houve uma resistência ampliada dos camponeses de Campo Maior e de Teresina a esta interdição dos fazendeiros, processo que foi possível através da existência de uma forte rede de solidariedade em torno dos lavradores que se manifestou por meio de mutirões, denúncias na imprensa, telegramas solicitando providencias de autoridades federais e uma ação judicial contra os proprietários. A análise está apoiada em fontes orais, hemerográficas e na bibliografia sobre o tema. Durante o artigo, recorremos aos estudos do historiador inglês E. P. Thompson sobre a economia moral para refletir sobre a constituição dos mutirões como uma experiência social de resistência. 

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

Próxima Chamada:

Juventudes e suas Histórias na América Latina: Sociabilidades, Experiências e Resistências 

Data limite para o envio de propostas:

30 de janeiro de 2023 (PRAZO AMPLIADO)

Email para envio de propostas:

vpduespi@gmail.com

 Normas de Publicação


Dúvidas Frequentes

1. Qual a titulação mínima para submissão de artigos? – Mestrado completo

2. Graduandos e especialistas não podem participar? – Sim, podem participar com o envio de resenhas e resumos expandidos de monografias, sendo que estas ultimas devem ter ao máximo 06 meses de defesa.

3. Qual o limite de autores por artigo? – Dois

4. Com que frequência um mesmo autor poderá publicar na revista? – De dois em dois anos (quatro semestres após a publicação do artigo anterior)

5. Quantos artigos posso enviar para ser apreciado e publicado numa edição da revista? - Não limitamos a quantidade de artigos encaminhados para revista  por qualquer autor, porém apenas um artigo será publicado.

6. O sistema de avaliação é às “cegas”?  - Sim, enviamos uma versão do artigo original editada, sem o nome do autor, e este avaliará de acordo com os critérios propostos na ficha de avaliação

7. Para onde devo encaminhar minha proposta textual para que ela seja avaliada? – vpduespi@gmail.com

8. A seção de artigos funciona em fluxo continuo? - Sim

9. Qual a quantidade mínima de páginas para um artigo ser apreciado e publicado? - Quinze páginas

10. Qual a quantidade máxima de páginas para um artigo ser apreciado e publicado? - Vinte páginas

 

Indexadores: