A modernidade do futebol na História

Luiz Carlos Ribeiro

Resumo


A partir da constatação da recorrência do termo "moderno" ou "modernização" no discurso dos agentes envolvidos com o campo futebolístico, em especial dirigentes de entidades e jornalistas especializados, o objetivo do presente ensaio é o de criticar a naturalização do conceito. Para isso realiza um mapeamento da Filosofia Política, localizando na tradição iluminista, em especial em Hegel, os fundamentos ideológicos do termo moderno como uma estratégia das classes hegemônicas do ocidente capitalista. Também propõe discutir como os historiadores do futebol, ao reproduzirem o conceito de forma acrítica e naturalizada, revelam se encontrar no mesmo campo ideológico do liberalismo. Para refletir sobre essa forma de apropriação, são analisados dois autores que, de maneira diferenciada, influenciam as interpretações históricas do futebol: Norbert Elias e Eric Hobsbawm.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

Próximos dossiê (Chamada aberta)

Estado, sociedade, culturas políticas e economia no longo século XIX

Data limite para o envio das propostas: 13 de setembro 2021


Email para envio de propostas:

vpduespi@gmail.com

 Normas de Publicação


Dúvidas Frequentes

1. Qual a titulação mínima para submissão de artigos? – Mestrado completo

2. Graduandos e especialistas não podem participar? – Sim, podem participar com o envio de resenhas e resumos expandidos de monografias, sendo que estas ultimas devem ter ao máximo 06 meses de defesa.

3. Qual o limite de autores por artigo? – Dois

4. Com que frequência um mesmo autor poderá publicar na revista? – De dois em dois anos (quatro semestres após a publicação do artigo anterior)

5. Quantos artigos posso enviar para ser apreciado e publicado numa edição da revista? - Não limitamos a quantidade de artigos encaminhados para revista  por qualquer autor, porém apenas um artigo será publicado.

6. O sistema de avaliação é às “cegas”?  - Sim, enviamos uma versão do artigo original editada, sem o nome do autor, e este avaliará de acordo com os critérios propostos na ficha de avaliação

7. Para onde devo encaminhar minha proposta textual para que ela seja avaliada? – vpduespi@gmail.com

8. A seção de artigos funciona em fluxo continuo? - Sim

9. Qual a quantidade mínima de páginas para um artigo ser apreciado e publicado? - Quinze páginas

10. Qual a quantidade máxima de páginas para um artigo ser apreciado e publicado? - Vinte páginas

 

Indexadores: